Executivo do Paysandu responde a processo por Hélio dos Anjos

Redação Por: Redação

Esporte Novidades

Publicado em 17/09/2020 16:44h

Executivo do Paysandu responde a processo por Hélio dos Anjos

As feridas dos relacionamentos que terminam de forma litigiosa costumam demorar a cicatrizar. No caso do recente divórcio no seio da família bicolor, essas chagas vêm sendo cada vez mais motivos de sofrimento desde que as partes resolveram ir cada um para seu quadrado.

Terça-feira de manhã, Hélio dos Anjos abandonou o lar ao afirmar não aguentar mais a inanição da então cara-metade. À tarde, o presidente Ricardo Gluck Paul deu uma longa entrevista para dar a sua versão do desquite, chegando até a elogiar o antigo parceiro. Em seguida, Hélio voltou a falar e não poupou críticas ao chamar Gluck Paul de fraco e ao dizer que o executivo de futebol, Felipe Albuquerque, era um mau exemplo para os jogadores. Posteriormente, a réplica do presidente foi chamar o treinador de mentiroso. De fora da confusão, a torcida assiste apreensiva a um espetáculo de acusações públicas que pode respingar no desempenho do time na Série C.

Na terça-feira, ao falar sobre Felipe Albuquerque, Hélio dos Anjos disse que entre os problemas com o executivo de futebol estava uma briga em um hotel em Porto Alegre (RS), quando Felipe teria agredido um funcionário do estabelecimento ao ser impedido de levar uma mulher a seu quarto. Albuquerque não quis comentar a situação e disse que o treinador teria que confirmar isso na justiça. Ontem de manhã, contudo, vazou o Boletim de Ocorrência (BO) que narra o ocorrido, comprovando que o executivo responde na Justiça a uma ação de reparação por danos morais.

Gluck Paul estranhou que esse documento tenha aparecido, acusando publicamente o treinador de promover um “linchamento público” do executivo bicolor. “O que me surpreende é a forma como esse documento surge nesse momento em que estamos atravessando. O que acho lamentável é esse linchamento de um profissional. O Hélio dos Anjos é um técnico renomado, vitorioso e com 36 anos de carreira, me admira se dedicar tão fortemente ao cancelamento de um profissional”.

O presidente afirmou que a decisão de dar apenas uma advertência verbal a Albuquerque teve a anuência do treinador. Até o fechamento desta edição, o executivo bicolor não respondeu às perguntas enviadas pela reportagem do Bola.

Por: Tylon Maués/ Diário do Pará

 

Comentários

Deixe seu comentário abaixo sobre esta notícia:

É Notícia Salinas - Blog de Notícias